Trabalho criativo [TED Talks]

Palestra de Elizabeth Gilbert, autora do bestseller Comer, Rezar, Amar, na TED Talks. A escritora fala sobre processo criativo, genialidade, o mito do sofrimento e da atividade criativa etc.

Textos relacionados
Para aprender a escrever: 100 palestras sobre literatura
Escolas matam a criatividade?
Como escrever com estilo

Por que somos felizes [vídeo]

http://video.ted.com/assets/player/swf/EmbedPlayer.swf

Dan Gilbert, autor de Stumbling on Happiness (Tropeços na Felicidade), contesta a ideia de que seremos tristes se  não obtivermos aquilo que queremos. Isso porque podemos nos sentir realmente felizes, mesmo quando as coisas não saem como planejado. TED Talks desse ano. Em inglês.

As múltiplos usos do Nintendo Wii

O videogame Nintendo Wii vem conquistando grande destaque devido ao seu controle sensível a movimento. Não apenas entre os entusiastas dos jogos eletrônicos, mas também junto ao público geral. Atualmente, é o videogame mais vendido no mundo.

Seus jogos são usados para fisioterapia (WiiFit e Wii Sports) e aulas de música (Wii Music). Todavia, há outros projetos sendo desenvolvidos, como o Health Checkup Channel, que permite ao médico monitorar a saúde do paciente pelo console. Enquanto joga Wii Fit (aplicativo de atividades físicas), dados sobre a condição física da pessoa são registrados.

Outra boa criação é o Digital Wheel Art (vídeo abaixo). Com ele, tetraplégicos utilizam a cadeira de rodas para criar obras de arte digitais através da detecção de movimentos.

O futuro do jornalismo e a educação

“A sobrevivência dos jornais estará muito mais vinculada à sua capacidade de dizer o que importa, com precisão e contexto, do que a dar furos.
A conclusão disso pode parecer hoje um pouco estranha, mas com o tempo será rotina. Os meios de comunicação vão absorver um pouco do jeito de ser da escola, mais preocupados com o didatismo e processos cognitivos de seus leitores, ouvintes ou telespectadores. Será ainda mais disseminada, na internet, a possibilidade de tirar dúvidas sobre as matérias ou discutir diretamente com os repórteres e colunistas -na prática é um ensino a distância. Ao mesmo tempo, as escolas terão ingredientes de Redação de jornal, tamanha a necessidade de os professores e alunos lidarem com as notícias como eixo estruturante do currículo e usarem recursos de comunicação para elaborar trabalhos ou pesquisas.”

Gilberto Dimenstein escreve na Folha sobre como as mudanças no Enen -e, consequentemente, no ensino- podem também afetar o jornalismo.
Segundo ele, a imprensa terá de aprender a ser mais didática e colaborativa com seus leitores, além de investir em menos e mais importantes notícias.